Coreia do Norte: o monumento da guerra

15

 Desvende as ruas de Pyongyang, a capital da Coreia do Norte, por meio da narrativa do enviado especial #ProntoPraTudo.

Entre 1950 e 1953, aviões rasgavam os ares e blindados faziam o solo da península coreana tremer. Essa atividade militar se encarregou de aquecer a Guerra da Coreia, um país dividido em duas partes “tuteladas” ao norte pela União Soviética e ao sul pelos Estados Unidos. 68 anos depois a INVICTUS esteve numa das capitais desse território um dia devastado por batalhas violentas. É uma das cidades mais limpas, ordeiras e bonitas do mundo. Não, não estamos em Seul. Bem-vindo a Pyongyang, a capital da Coreia do Norte.

De um cenário em ruínas, com aeronaves despencando num rastro de fumaça nos céus e carros de combate explodindo em minas terrestres, o centro administrativo da Coreia do Norte hoje abriga mais de 3 milhões de habitantes. Da janela do 38º andar do Hotel Yanggakdo – dos raros complexos turísticos da cidade e propriedade do Estado -, é possível sentir o murmúrio do silêncio nas ruas por onde trafegam pouquíssimos carros, bicicletas e bondes antigos movidos pelos fios de alta tensão.

IMG_0702-blog

É impossível dirigir por cinco minutos pela metrópole sem se deparar com um monumento “faraônico”, uma praça gigante e todos os símbolos que compõem as raízes da história recente do país: militarismo, culto à personalidade de seus líderes e, claro, as características moradias dadas pelo governo em cortiços em arquitetura e cores sempre iguais, variando entre tons aguados de azul, amarelo, verde e vermelho.

O orgulho pelo exército e a guerra

É o final de semana do aniversário do “Eterno Presidente”, Kim Il-sung, o fundador da Coreia do Norte (falecido avô do atual ditador). Na gigantesca praça batizada com seu nome é possível ver marcações de milhares de pontos brancos enfileirados. São elas que orientam os soldados que participam das famosas paradas militares características do local, onde os norte-coreanos exibem desde seu arsenal de ogivas a mosaicos e marchas super sincronizadas. Por azar, a marcha não aconteceu.

08

Em algum lugar da capital também está o imponente Museu da Vitória na Guerra de Libertação da Pátria. O espaço expõe, entre aviões abatidos e fotos de prisioneiros de guerra em rendição – e até mesmo mortos, o navio espião estadunidense detonado por tiros de canhão. Dentro dos inúmeros salões, os norte-coreanos ilustram sua versão da guerra. Paredões com pinturas extravagantes e maquetes de tamanho real explicam os motivos que levaram ao conflito e as atrocidades cometidas pelos Estados Unidos em algumas das mais sangrentas batalhas.

A devoção aos líderes

Não é novidade que o atual líder “marechal”, Kim Jong-un, detém o maior status da nação. Mas, quando o assunto é seu pai, o falecido “Querido Líder, Kim Jong-il, e seu avô (já retratado acima), a devoção dá aos norte-coreanos uma característica de “nação seita”, tamanho o respeito à linhagem da família Kim. Apesar de estarmos falando de um Estado ateu, o fascínio das pessoas pelos líderes pode ser comparado ao respeito “divino” de outras religiões, tornando-os, sem sombra de dúvidas, semideuses mortais.

02

Exemplo disso é o Palácio do Sol, o mausoléu que abriga os corpos conservados de Kim Il-sung e Kim Jong-il. O “vaticano da Coreia” é uma construção megalomaníaca dura e cinza. Dentro de seus incontáveis salões, além dos dois corpos que repousam às reverências de seus visitantes, museus expõem objetos pessoais, condecorações e informações sobre a vida dos antigos comandantes do País. Tudo isso dentro de um forte esquema de segurança e um entra e sai constante de soldados e oficiais em visita ao ambiente minuciosamente silencioso e respeitoso.

Cotidiano

A verdade é que parece haver “três Coreias”. E não, a outra não é a “Coreia do Leste”, nem do “Oeste”; É a “Coreia do Resto”. A do Sul é amplamente conhecida por seu abraço ao desenvolvimento e bom relacionamento com o mercado internacional. A “Coreia de Pyongyang”, que arrebanha uma pequena parcela de felizardos aptos a viver “bem”, porém, sob a rigidez e rituais de extrema devoção ao regime da Família Kim.

01

Tá, e a Coreia do Resto?

Essa é a Coreia do interior, que enfrenta o clima severo nos campos e a total falta de infraestrutura para o cultivo de alimentos. É a Coreia de pessoas majoritariamente magras e “entediadas”, que passam seus dias carpindo sarjetas, recapando o asfalto, tocando gado de arado e fumando palheiro. É a Coreia sem parâmetros de vida boa que vive da sobra e não sabe o que esperar do amanhã. É a Coreia que, provavelmente, não sabe que sofre.

*Marcos Holtz é escritor, jornalista e registra suas viagens no @mochilacronica.

Fique atento, a Missão INVICTUS continua.  No próximo post vamos listar lugares e fotos de um acervo exclusivo produzido na expedição. 

Mais fotos:

 

04

05

06

07

10

11 13

16

Invictus

Esse espaço pertence àqueles que buscam conhecer o próprio instinto, àqueles que treinam sem temer ou subestimar o desconhecido; aos que perseguem sonhos com pés firmes no chão, aos que buscam no preparo físico e mental a melhor maneira de viver em equilíbrio e autocontrole. Aqui você vai encontrar todas as novidades do mercado tático, militar e outdoor, no Brasil e no mundo.

0 comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.